Feeds:
Artigos
Comentários

Archive for the ‘Pegada Ecológica’ Category

Restos de comida das famílias vão passar a ser recolhidos

11.08.2008
PÚBLICO

Os restos de comida produzidos pelas famílias portuguesas vão passar a ser recolhidos. Após o tratamento, o lixo dará adubo para a floresta e agricultura.

A recolha dos resíduos alimentares poderá vir a ser feita porta a porta, como defende a Quercus. Contudo, o Governo ainda não adiantou a data em que poderá começar, segundo a notícia publicada hoje no “Diário de Notícias”.

A utilização destes restos na produção de fertilizantes não é novidade em Portugal.

Ao “Diário de Notícias”, a Agência Portuguesa do Ambiente admitiu que “a grande dificuldade é escoar o composto no mercado, que tem de ter qualidade e não pode ser aplicado de qualquer forma nos solos”.

Pedro Carteiro, da Quercus, adianta que se os resíduos não chegassem às unidades de tratamento misturados com outros lixos o seu aproveitamento seria muito maior e o processo mais barato.

A Quercus avança com uma solução: a recolha podia ser baseada no sistema “conceito de secos e húmidos”. Em vez de as pessoas porem os vários lixos no ecoponto, estes seriam recolhidos porta a porta. Em dias alternados entregavam-se as embalagens, noutros os orgânicos, à semelhança do que já acontece na Catalunha.

Na fase inicial deverá alargar-se à recolha junto de outros grandes produtores, como cantinas, hotéis e restaurantes. A recolha já é efectuada em restaurantes e hotéis de Lisboa e do Porto.

 

Esta é sem dúvida uma excelente notícia. Apesar de me preocupar o tom vago da mesma: “poderão vir a ser”, “o governo não adiantou a data em que poderá começar”… Parece mais uma declaração de intenções do que algo que se vá fazer. Mas é um bom sinal.

Pensando no assunto, ocorre-me que seria também uma boa notícia procurar sensibilizar nacionalmente as pessoas para a utilidade de uma pilha de compostagem, num país em que uma grande parte da população tem pelo menos uma hortinha para cultivar as “novidades”, como diz a D. Natércia, ou um jardinzinho. Se a coisa se tornasse moda, não era preciso que os serviços camarários recolhessem tanto lixo.

Aqui, no município de Águeda, parece-me que só aproveita os restos de comida quem tem animais, quem os não tem mistura o lixo orgânico com o outro. Há imensas casa com jardim ou horta onde se poderiam fazer pilhas de composto e duvido que se façam. Era só gastar uns tostões a falar disso e esperar quie os comportamentos mudassem, suponho até que seria mais fácil levar as pessos a fazerem compostagem do que está a ser levá-las a usarem os ecopontos, uma vez que os benefícos da compostagem, em meios como aquele onde vivo, são imediatos e em prol da pessoa que a faz…

Mais sobre compostagem:

http://www.hortadaformiga.com/compostagem.cfm

http://www.confagri.pt/Ambiente/AreasTematicas/Solo/Documentos/doc68.htm

Read Full Post »

Não tens nada que fazer aos sábados?

Queres sentir-te como o D. Quixote contra os moinhos?

Então clica aqui e faz companhia à QUERCUS na recuperação ecológica do Cabeço Santo, em Águeda.

Read Full Post »

Demasiado. Ver aqui:

http://100diasdebicicletaemlisboaapoio.blogspot.com/2008/02/quanto-custa-ter-e-usar-o-meu-automvel.html

Ai, se eu pudesse prescindir do automóvel para ir trabalhar, mas deram cabo do Vouguinha….

Read Full Post »

Algumas dicas aqui:

http://www.gostomaisdecarrosdoquechocolates.com/tag/ecodriving/

Aceitam-se mais sugestões.

Read Full Post »

Uma experiência em sustentabilidade no nosso quintal… Inspirador!

(Vénia à Quinta do Sargaçal.)

 

Read Full Post »

Espécies perigosas

Read Full Post »

Não é uma piada.

A Junta de Freguesia da Ericeira, de há uns anos para cá, resolveu recolher porta-a-porta óleos alimentares usados e até já tem “oleões” para a recolha dos mesmos nos seus ecopontos. Os carros do lixo da junta funcionam com o biocombustível que resulta do tratamento desses óleos. Com o dinheiro que se poupou em combustível, apetrecharam escolas; neste momento, cedem o biocombustível que sobra a bombeiros, à Protecção Civil ea instituições de solidariedade.

O que decidu fazer o ESTADO? Dar-lhes um prémio por serem expeditos e ecológicos na resolução dos seus problemas e por pouparem dinheiro em combustível do seu orçamento de 55 mil eutos para o poderem gastar noutras coisas?

Não, não senhor. O estado sentiu-se roubado por, na Ericeira, os representantes do estado e da população não comprarem o dito combustível ao estado e, zumba! , multa de 7 mil euros. Bem feito, que é para aprenderem a não serem espertos! Ainda se o presidente da junta tivesse metido dinheiro num qualquer saco azul, agora poupar dinheiro? Ter preocupações ambientais? Isso não se admite! Bem feito!

Para ver outras actividades imorais da Junta de freguesia da Ericeira, é favor clicar aqui.

Read Full Post »

Older Posts »